Maserati e Dodge devem receber plataforma Giorgio da Alfa Romeo nos próximos anos


A FCA confirmou que pode ampliar o leque de modelos que usam a plataforma Giorgio da Alfa Romeo e que essa pode chegar a automóveis da Maserati e da Dodge. Desenvolvida ao custo de mais de 1 bilhão de euros, a plataforma Giorgio que sustenta o sedã Giulia e o SUV Stelvio não deverá ser usada unicamente por modelos da Alfa Romeo. Em entrevista concedida durante o Salão de Los Angeles, o chefão da marca, Reid Bigland, declarou que a base poderá ser aproveitada nos próximos anos por outras fabricantes do grupo FCA. Maiores detalhes ainda não foram revelados, mas as fichas recaem principalmente a Maserati e Dodge. No caso da Maserati, ela deve servir de base para a versão de produção do Alfieri Concept ou de um SUV menor que o Levante, enquanto que na Dodge pode estar nas novas gerações de Journey, Charger e Challenger. Projetada para colocar a Alfa Romeo em pé de igualdade diante de rivais como Audi, BMW e Jaguar, a Giorgio é tratada pela FCA como uma jóia em termos de dinâmica de condução.


Comentários

  1. A Maserati poderia fazer sua versão das Ferrari GTC4Lusso e F12 Berlinetta.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reestilizada, Chevrolet Spin é flagrada sem camuflagem, em cegonha, a caminho da Argentina

Depois de dois anos ausente, SsangYong Korando volta reestilizado por R$129.900

Ford confirma lançamento do Ka em julho com preço inicial de R$45.490, R$710 mais caro

Nova geração do Fiat Ducato já é vendido com descontos que chegam a R$21.307

Volvo inicia pré-venda da nova geração da V60, em versão única, por R$199.950

Jeep confirma SUV de 7 lugares e um SUV abaixo do Renegade para a América Latina

Fora do Brasil desde 2014, Volkswagen apresenta nova geração do Bora na China

Honda revela nova geração do Brio em agosto, durante o Salão do Automóvel da Indonésia

Jeep Renegade ganha teaser e estreia motores 1.0 e 1.3 Turbo na Europa

Fiat "acorda pra vida" e deve ter três SUVs no mercado brasileiro até 2022, segundo plano