Volkswagen confirma investimento de US$48 bilhões em baterias para elétricos


A Volkswagen confirmou que sua eletrificação deve render alguns frutos interessantes, mas também é verdade que a marca deve gastar uma boa quantia em bateria de elétricos. Recentemente, em entrevista para o Fortune, a marca confirmou que o Grupo Volkswagen deve investir US$48 bilhões para o desenvolvimento de baterias. Os componentes serão usados pela nova geração de elétricos ID da Volkswagen, por exemplo, a Mission E, da Porsche e a e-tron da Audi. Além disso, as baterias devem ser usadas por quase todas as marcas do grupo que produzem carros. O investimento foi considerado tão alto que, segundo a revista Fortune, supera com facilidade o atual valor de mercado da Tesla. "Até 2020, ofereceremos aos nossos clientes mais de 25 novos modelos elétricos e mais de 20 híbridos plug-in", disse recentemente o presidente-executivo da Volkswagen, Herbert Diess. "Em apenas alguns anos, em todas as marcas e regiões, pretendemos colocar no mercado a maior frota mundial de veículos elétricos", completou. Em 2025, a Volkswagen quer vender 3 milhões de unidades por ano, quase tudo que o Brasil vende num ano todo. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reestilizada, Chevrolet Spin é flagrada sem camuflagem, em cegonha, a caminho da Argentina

Depois de dois anos ausente, SsangYong Korando volta reestilizado por R$129.900

Ford confirma lançamento do Ka em julho com preço inicial de R$45.490, R$710 mais caro

Nova geração do Fiat Ducato já é vendido com descontos que chegam a R$21.307

Volvo inicia pré-venda da nova geração da V60, em versão única, por R$199.950

Jeep confirma SUV de 7 lugares e um SUV abaixo do Renegade para a América Latina

Fora do Brasil desde 2014, Volkswagen apresenta nova geração do Bora na China

Honda revela nova geração do Brio em agosto, durante o Salão do Automóvel da Indonésia

Jeep Renegade ganha teaser e estreia motores 1.0 e 1.3 Turbo na Europa

Fiat "acorda pra vida" e deve ter três SUVs no mercado brasileiro até 2022, segundo plano