RAM dá continuidade a recall da 2500, de fevereiro deste ano, com defeito no câmbio


A FCA está dando continuidade a uma chamado de recall da RAM 2500, iniciado em fevereiro deste ano. O defeito envolve 3.527 unidades com defeito no câmbio automático. O recall envolve as unidades com ano/modelo 2010, 2012, 2014, 2016, 2017 e 2018. Segundo a FCA, um novo recall deve ser definido para a solução definitiva do problema. Segundo a marca, “existe a possibilidade de a alavanca da transmissão automática mover-se da posição P (park), ou qualquer outra posição, sem a chave na ignição e/ou o pedal do freio acionado. Em caso de mudanças de posição involuntária da alavanca da transmissão automática há risco de movimentação da picape. Nesse caso, há risco de acidentes materiais e físicos ao motorista, aos passageiros e a terceiros.”. Com a solução já disponível, a marca norte-americana confirmou que o reparo demora cerca de 1 hora. Para mais informações, a RAM disponibiliza a Central de Atendimento ao Cliente pelo telefone 0800 (0800 702 7150) ou pelo site (www.ram.com.br). Confira abaixo o final dos chassis envolvidos no recall.


Final dos Chassis

  • RAM 2500 2010/2018 - 100189 a 586439

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reestilizada, Chevrolet Spin é flagrada sem camuflagem, em cegonha, a caminho da Argentina

Depois de dois anos ausente, SsangYong Korando volta reestilizado por R$129.900

Ford confirma lançamento do Ka em julho com preço inicial de R$45.490, R$710 mais caro

Nova geração do Fiat Ducato já é vendido com descontos que chegam a R$21.307

Volvo inicia pré-venda da nova geração da V60, em versão única, por R$199.950

Jeep confirma SUV de 7 lugares e um SUV abaixo do Renegade para a América Latina

Fora do Brasil desde 2014, Volkswagen apresenta nova geração do Bora na China

Honda revela nova geração do Brio em agosto, durante o Salão do Automóvel da Indonésia

Jeep Renegade ganha teaser e estreia motores 1.0 e 1.3 Turbo na Europa

Fiat "acorda pra vida" e deve ter três SUVs no mercado brasileiro até 2022, segundo plano