segunda-feira, março 06, 2017

Segunda geração do Audi A1 pode virar nacional em 2018 e ser produzido em Taubaté ou São José dos Pinhais


A segunda geração do Audi A1 Sportback será apresentada no Salão do Automóvel de Frankfurt, em Setembro. Porém segundo a revista Quatro Rodas, o A1 deve se tornar nacional e com chances de ser o best-seller em vendas da marca por aqui. Por vir com a nova plataforma modular MQB-A0, o modelo deve dividir a mesma plataforma com Gol/Polo, o que diminuiria seus custos no nosso mercado para a sua produção. A nova geração deve fazer com que o A1 fique mais simples até mesmo na Europa, além de oferecer um espaço interno melhor. Mesmo assim, a meta é fazer com que o A1 custe o dobro do Gol (entre R$80.000 a R$95.000), tornando-o o mais em conta do nosso mercado. O nosso A1 não será oferecido nas carrocerias de duas portas (aqui o A1 terá apenas a versão Sportback, com quatro portas) e nem motores diesel, híbrido ou elétrico (estes dois últimos, possibilidades cogitadas na Europa). Aqui ele deve ser vendido com motores 1.0 12v TSI Flex e 1.4 TSI Flex desenvolvendo entre 120cv a 150cv, enquanto as versões S1 e RS1 deverão ser importadas. Ainda sem decidir se o A1 será produzido em São José dos Pinhais (PR) ou Taubaté (SP), a produção do A1 deve ser cogitada, mesmo que o Grupo Volkswagen negue a hipótese, segundo a revista. O novo A1 deve seguir o design evolucionário dos demais automóveis e com maior espaço interno. Espere por um entre-eixos entre 2,50 a 2,56 metros. No seu design, destaque fica para os novos vincos sobre os para-lamas dianteiro e traseiro. Isso deve dar a ele uma aparência sutilmente mais musculosa, assim como a coluna C bem mais grossa e sem vidro. A tampa traseira terá um corte reto e as lanternas serão parecidas com as do A4, mais horizontais e finas. Os retrovisores também são diferentes, voltando à base da coluna A. Os do A1 atual são fixados na porta. Os faróis serão bem trapezoidais, enquanto as dimensões devem ganhar upgrade: ele deve ganhar cerca de 9 centímetros no comprimento em relação ao modelo atual, aumentando o espaço para as pernas dos ocupantes do banco de trás. O porta-malas também poderá sofrer aumento, passando dos 270 litros atuais para 300 litros.


Fonte: Quatro Rodas
Fotos: Motor1

Nenhum comentário:

Postar um comentário