terça-feira, janeiro 31, 2017

Dodge divulga as primeiras imagens oficiais do Challenger SRT Demon, que estreia no Salão de Nova York


Depois de ter as primeiras imagens vazadas em vídeo publicado pelo ator Vin Diesel em agradecimento a equipe pelo Velozes 8, a Dodge não teve saída: era o momento que começar a mostrar o Challenger SRT Demon, vazado no vídeo de Vin. A marca divulgou uma imagem da traseira da nova versão e dos pneus que serão usados. Na traseira, o destaque fica pelo para-lamas alargados para comportar os novos pneus. Falando neles, os pneus Nitto em medidas 315/40 R 18, o primeiro de arrancadas oferecido em um modelo de produção normal. Com lançamento marcado no Salão do Automóvel de Nova York, a Dodge deve lançar 12 vídeos até seu lançamento. Pelo vídeo oficial sabe-se que a Dodge levou a sério a ideia de reduzir o peso do coupé. Ele deve ser 90,7kg mais leve que o Hellcat, chegando a 2.018kg, o que deve contribuir para seu desempenho ainda mais endemoniado. A verdade é que a versão Demon deve ser oferecida novamente. Usada pelo Challenger nos anos 70, ela apareceu como conceito no Salão de Genebra de 2007, mas nunca tinha voltado as linhas de produção.  Não há muitos detalhes sobre a configuração, mas a promessa é de um carro “mais potente e rápido”. Ou seja, mais potência e melhor dinâmica, com mudanças em transmissões, suspensão, direção, freios e afins. “O Dodge Challenger SRT Demon foi concebido, desenhado e projetado para a subcultura dos entusiastas, que sabem que o décimo de segundo é um carro de distância e meio segundo é a sua reputação”, disse Tim Kuniskis, chefe das marcas de passageiros da FCA. O motor deve ser o mesmo 6.2 V8 HEMI, mas com cerca de 800cv de potência ou até passar disto.


Um comentário:

  1. E aos poucos, o Challenger vai roubando o espaço do Viper...esse motor de 717 cv poderia estar sob o capô Viper, já que é mais moderno, mais potente, mais torcudo, mais leve e ainda por cima é mais econômico que o V10 8.4 (ok, quem tem um Viper ou semelhante, consumo é que menos importa...mas se for possível pilotar a máquina por mais tempo, é algo interessante na minha opinião).

    ResponderExcluir